5 de dezembro de 2011

Proteínas Plasmáticas


- Compreendem principalmente a albumina, as globulinas e o fibrinogênio;
- Sensíveis a vários tipos de traumatismos, inclusive o térmico. Em altas temperaturas são desnaturadas ou destruídas;
- Formam a base da estrutura de células, tecidos e órgãos; mantêm a pressão oncótica; atuam como catalisadores em reações bioquímicas; funcionam como tampões para o equilíbrio ácido básico; participam da coagulação sanguínea; participam da defesa dor organismos; transportam compostos pela maior parte dos constituintes do plasma;
- Produzidas no fígado, com exceção das imunoblogulinas (nos linfócitos B);
- Produção e liberação estimuladas por fatores como citocinas e diminuição da pressão oncótica (ex: albumina);
- A concentração plasmática de PTNS reflete o equilíbrio entre PTNS do meio intra e extravascular;
- Mensuração de PTNS totais = método biureto (colorimétrico)
                                               = método verde de bromocresol (colorimétrico) = albumina
                                               = globulinas = PTNS totais - albumina

- Leitura de PTNS com especificidade = eletroforese;
- Albumina é a PTN mais abundante nos animais (responsável por 80% da pressão oncótica do sangue = impede passagem do sangue para o tecido);
- Vida média de PTNS plasmáticas = cerca de 8 dias em cães;
- Globulinas = Abrangem anticorpos, ptns do complemento, fatores de coagulação, enzimas, ptns transportadoras de lipídeos, vitaminas, hormônios, hemoglobina extracelular e íons metálicos ( Fe e Cobre);
- Neonatos = Menores quantidades de ptns (por baixas concentrações de albumina  e globulinas)
- Animais maduros = Maiores quantidades de ptns (mais globulinas que albumina);
- Liberação de cortisol = Diminui quantidade ptns totais e aumenta globulinas;
- Aumento de proteínas totais = Globulinas e albumina = desidratação;
- Aumento da globulina = Diagnóstico depende de qual globulina está aumentada;
- Diminuição de globulinas e albumina = Hemorragias, queimaduras, lesões exsudativas, enteropatias, perda de ptns por neoplasias, parvovírus, enterite eosinofílica ou histoplasmose;
- Perdas de albumina pela urina => glomerulonefrite ou amiloidose renal
                                 pelo intestino => parasitismo, insuficiência pancreática exócrina;

- Insuficiência hepática = diminui albumina;
- Globulinas = Aumentam em inflamações;
      => Aumento das alfa globulinas = inflamação aguda, infecções virais;
      => Diminuição das alfa globulinas = cirrose hepática;
     => Aumento das beta globulinas = inflamação crônica, síndrome nefrótica, doença hepática, resposta imune;
     => Diminuição das beta globulinas = associado ao hiperadrenocorticismo = produção deficiente do hormônio adrenocortical;

- Valor normal das ptns plasmáticas = 5,0 a 8,0 g/dL (varia de acordo com ingestão hídrica);

- Fibrinogênio = - PTN de fase aguda;
                         - Sintetizado pelo fígado;
                         - Quantidade aumenta em presença de interleucinas e do fator de necrose tecidual liberado pelo processo inflamatório;
                         - Normalidade = 1 a 5,0 g/l = quando há aumento; sem hemoconcentração presente concomitantemente; significa possível presença de processo inflamatório;
                         - Fazer relação PPT : F (Proteínas totais : Fibrinogênio);
                             => Maior que 10 e menor ou igual a 15 = suspeita de inflamação;
                             => Maior que 15 = descarta-se origem inflamatória;
                         - Bom para confirmar alterações suspeitas não no leucograma de cães, bovinos e equinos.


__________________________________________________________________________________________
REFERÊNCIAS


____________. Esquema dos testes laboratoriais em hematologia de rotina. Disponível em <http://pt.scribd.com/doc/12908273/Patologia-Clinica-Hematologia-Veterinaria>.

____________. Perfis bioquímicos. LacVet - UFRGS. Disponível em <http://www6.ufrgs.br/favet/lacvet/principais_perfis.php>.

GOMES, K. R. et al. Avaliação do hematócrito e da proteína plasmática em sangues hemodiluídos. REVISTA CIENTÍFICA ELETÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA – ISSN: 1679‐7353. Ano V – Número 09 – Julho de 2007 – Periódicos Semestral. 

HOWARD, D. L. Proteína total, albumina e globulinas no plasma de potras sadias da raça brasileiro de hipismo em crescimento. ARS VETERINARIA,Jaboticabal,SP ,v.24, n.2, 077-082, 2008. Disponível em <http://www.arsveterinaria.org.br/index.php/ars/article/viewFile/175/143>.

MACHADO, M. C. Proteinograma sérico de gatos infectados experimentalmente pelo Trypanossoma evansi. Dissertação (mestrado) – Universidade  Federal de SantaMaria, Centro de  Ciências Rurais,  Programa de PósGraduação em Medicina Veterinária. 54 f. Santa Maria - RS, 2010. Disponível em <http://coralx.ufsm.br/ppgmv/DISSERTA%C7%D5ES/2010/M%E1rcio%20Machado%20Costa.pdf>.

SILVA, E. B. et al. Característica leucocitária, relação albumina/globulina, proteína plasmática e fibrinogênio
de bovinos da raça Nelore, confinados e terminados a pasto. Ciência Rural, Santa Maria, v.38, n.8, p.2191-2196, nov, 2008. Disponível em <http://www.scielo.br/pdf/cr/v38n8/a16v38n8.pdf>.

TAVARES, I. A.; TAKAHIRA, R. K. Dosagem de da proteína sérica total: Método colorimétrico e refratométrico. Disponível em <http://www.fca.unesp.br/teste/m_cientifica/artigos/FMVZ/veterinaria/Patologia%20Animal/1188846451trabalho_resumo%20proteina%20I%20A%20TAVARES.pdf>.

VECINA, J. F. et al. Importância do fibrinogênio plasmático na identificação de processos inflamatórios de cães. Ciênc. vet. tróp., Recife-PE, v. 9,  n. 1, p. 31 - 35  - janeiro/abril, 2006. Disponível em <http://www.veterinaria-nos-tropicos.org.br/volume9-1/artigo4.pdf>.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por comentar !

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...